Jogo Sujo

Assessores de gabinete entregavam 80% do salário à ex-mulher de Bolsonaro

Ana Cristina Valle

Um antigo funcionário da família Bolsonaro revelou à imprensa que a ex-mulher do presidente, Ana Cristina Valle, ficava com 80% de seu salário e de outros empregados por meio da prática de “rachadinhas”. O ex-empregado Marcelo Luiz Nogueira dos Santos fez a denúncia relatando detalhes, como o fato do atual presidente Jair Bolsonaro, na época deputado federal, transferir para seus filhos Flávio e Carlos o comando do suposto esquema de corrupção após descobrir traições por parte de Ana Cristina Siqueira Valle, de quem se separou em 2007.

De acordo com o relato, era ela que controlava o recolhimento de parte dos salários de todos os assessores parlamentares da família. Marcelo revelou ainda ter testemunhado diversos golpes praticados pela advogada.

“Das pessoas que trabalhavam, que eram só laranjas, ela ficava com praticamente tudo. Só dava uma mixaria para usar o nome e a conta da pessoa. Eu ainda ganhava mais ou menos, porque eu trabalhava. Por exemplo: para o pessoal de Rezende, ela só dava um ‘cala boca’ para usar o nome e a conta, porque eles não trabalhavam, né? Ela é quem comia o dinheiro todo”, revelou o ex-funcionário.

A prática de Ana teria começado quando o vereador Carlos Bolsonaro, conhecido como “filho 02”, assumiu o gabinete no Rio de Janeiro.

“Ele não fez questão. Sabia, mas também não se envolvia. Ganhava o salário dele. Não se envolvia nisso, não. Mas, quando o Flávio foi eleito, ela fez o Bolsonaro fazê-la tomar conta do gabinete do Flávio também. Tanto que havia a chefia do gabinete dele, mas quem posava tudo por trás era ela. Era era a mandachuva”, comentou o ex-empregado da família de Bolsonaro por 14 anos.

Redação

Redação

Comentar