Jogo Sujo

Após ultimato do MP, Bruno Covas decide substituir organização social investigada no Rio

Hospital Bela Vista São Paulo

Após receber ultimato do Ministério Público estadual por meio da Promotoria de Justiça e Patrimônio Público, a prefeitura de São Paulo se comprometeu a substituir em até 90 dias a organização social (OS) Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde, o Iabas, na gestão de unidades de saúde. Caso não tomasse a medida, o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, poderia ser alvo de ação de improbidade administrativa.

A OS já está na mira de investigações por suspeitas de irregularidades e fraudes no Rio e também em São Paulo. O Iabas manteve contratos com a gestão do governador afastado Wilson Witzel para compra de respiradores. Witzel chegou a romper o contrato com a organização, que teria de montar e administrar sete hospitais de campanha. A prefeitura do Rio também manteve contratos com a OS, investigados pelo Ministério Público do RJ.

Um dos contratos assinados entre a prefeitura sob a gestão de Bruno Covas e o Iabas está relacionado ao Hospital Bela Vista, unidade de referência no tratamento de casos de covid-19. A organização também administra os leitos hospitalares emergenciais para a pandemia no Hospital Municipal da Vila Brasilândia, na Zona Norte, além de outras unidades da capital.

Além disso, o Iabas recebeu R$ 71,4 milhões para gerir parte do Hospital de Campanha do Anhembi, para o tratamento de pacientes com coronavírus. O hospital foi desativado em agosto de 2020. O contrato do Anhembi é alvo de auditoria processo do Tribunal de Contas do Município. Os técnicos constataram que o número de funcionários para trabalhar no HCA era 20% inferior ao estipulado em contrato.

Investigação do MP prosseguirá mesmo após rescisão do contrato

O Ministério Público informou que a investigação contra o Iabas segue, mesmo após o fim do vínculo com a Prefeitura. Os promotes alertam que há suspeitas de prejuízos ao erário.

Em nota oficial, o Iabas afirmou que não há fundamento para suspeitas de mau uso de dinheiro público nos contratos firmados entre a entidade e a Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo”

“O Iabas reafirma o seu compromisso com a legalidade, informa que está à disposição para colaborar com as autoridades e demonstrar a legalidade dos seus atos”, completou.

 

 

Redação

Redação

Comentar