Jogo Sujo

Catorze vereadores de Uberlândia passaram virada do ano em presídio

Presídio Uberlândia

Eles são acusados de desvio de verbas de gabinete em conluio com donos de gráficas. Já os empresários fizeram acordo com o MP e foram soltos

Os 14 mandatários da Câmara Municipal de Uberlândia foram presos no âmbito das operações Má Impressão e Guardião, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público de Minas Gerais,  que investiga  suspeita de desvio de verbas de gabinete em esquemas com gráficas e com uso de notas frias, conforme o blog noticiou. Eles permanecem detidos em prisão preventiva no Presídio Professor Jacy de Assis. No primeiro dia de 2020, os vereadores não recebem visita de familiares, já que a visitação ocorre somente no domingo.

Já os empresários, donos de 13 gráficas, que estavam em prisão temporária, fizeram acordos com o MP e foram soltos. De acordo com os promotores, devem ser devolvidos R$ 2 milhões aos cofres públicos.

Os vereadores que permanecem presos são Alexandre Nogueira (PSD), Ceará (PSC), Doca Mastroiano (PL), Hélio Ferraz Baiano (PSDB), Isac Cruz (Republicanos), Juliano Modesto (SD), Marcio Nobre (PSD), Pâmela Volp (PP), Rodi (PL), Ronaldo Alves (PSC), Silésio Miranda (PT), Vico (Sem Partido), Vilmar Resende (PSB) e Wender Marques (PSB).

As defesas dos vereadores entraram com pedidos de liberdade provisória, no dia 31, após um surto de intoxicação na unidade prisional de Uberlândia  que atingiu a maioria dos detentos nos dias 29 e 30 de dezembro.

Redação

Redação

1 Comentário