Jogo Sujo

Investigado esquema de propina para construir cemitério em Almirante Tamandaré (PR)

Prefeitura Almirante Tamandaré

Um esquema de propina relacionado à construção de um cemitério e de um crematório na Região Metropolitana de Curitiba está na mira do Ministério Público do Paraná. O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) cumpriu 12 mandados de busca e apreensão, incluindo o gabinete do prefeito Gerson Denilson Colodel (MDB).

Entre os alvos da Operação Óbolo, estão o prefeito da cidade de Almirante Tamandaré, Gerson Denilson Colodel (MDB), e de um vereador, cujo nome ainda não foi revelado. Buscam foram feitas no gabinete do prefeito, na Câmara Municipal de Almirante Tamandaré, em três secretarias municipais, seis empresas e em residências.

Agentes apreenderam R$ 41 mil durante as buscas. Um empresário investigado possuía um imóvel indicado para as construções e, para a autorização do empreendimento, foi solicitada uma propina no valor de R$ 350 mil.

Propina teria como finalidade facilitar a aprovação do projeto do cemitério

De acordo com as investigações, a solicitação e o recebimento de propina teriam ocorrido com participação de pessoas intermediárias, visando facilitar a aprovação de projeto para a construção de um cemitério e de um crematório.

Em nota, a Prefeitura de Almirante Tamandaré afirmou que as diligências realizadas pelo Gaeco dizem respeito a procedimento de investigação acerca de atos administrativos concernentes à expedição de alvarás de construção e de licença, onde supostamente houve solicitação de valores por agentes públicos, de forma que os mandados de busca e apreensão visavam a obtenção de processos administrativos.

O poder municipal afirmou ainda que se colocou à disposição para contribuir com as investigações do Gaeco e que forneceu toda a documentação solicitada, reiterando “seu compromisso com a total transparência”, certa da “comprovação da legalidade dos atos praticados”.

Redação

Redação

Comentar