Jogo Sujo

Operação Metástase apura possíveis desvios em hospital de Viçosa (MG)

Fundação Assistencial Viçosense e Hospital São João Batista

Segundo MP, uma funcionária adulterou por quase 10 anos arquivos de folhas de pagamento. Desvios chegam a R$ 600 mil

O Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), deflagrou  esta semana a Operação Metástase, com o objetivo de para apurar possíveis ilegalidades praticadas por servidores vinculados ao Hospital São João Batista, em Viçosa. Foram cumpridos três mandados de busca e apreensão, sendo dois em residências particulares e um nas dependências do hospital. Nas buscas foram recolhidos celulares, aparelhos eletrônicos e documentos que serão analisados posteriormente.

As investigações apontam, inicialmente, que uma funcionária fraudou os arquivos de folhas de pagamento do hospital por quase 10 anos, desviando valores financeiros para a própria conta e também de uma segunda funcionária. Os desvios remontam ao ano de 2009 e os valores, preliminarmente apurados, chegam ao montante aproximado de R$ 600 mil reais.

A operação foi denominada Metástase por fazer alusão “às consequências nefastas que desvios de conduta geram na saúde pública do país, e que devem ser rigorosamente combatidas”. Nas buscas foram arrecadados documentos que serão analisados posteriormente. A Fundação Assistencial Viçosense e Hospital São João Batista divulgou nota de apoio à operação, defendendo que todos os desvios de conduta que “geram prejuízos para área de saúde devem ser rigorosamente combatidos”.

Redação

Redação

3 Comentários