Jogo Sujo

Andrade Gutierrez vai pagar R$ 128,9 milhões por irregularidades em obra na sede do governo de MG

mg

A construtora Andrade Gutierrez fechou um acordo de leniência com a Controladoria-Geral e a Advocacia-Geral de Minas Gerais para pagar quase R$ 130 milhões até o fim de 2030. O acordo foi feito para compensar os cofres públicos por desvios em contratos com a Cemig e pelas obras da Cidade Administrativa, sede do governo do estado mineiro. Os contratos foram fechados durante os governos de Aécio Neves e Antonio Anastasia, do PSDB, na época. Os desvios foram cometidos entre 2004 e 2011.

“No caso da Cidade Administrativa, basicamente, fraude em licitação por meio de conluio entre empresas e agentes públicos. Não podemos citar outras empresas e outros agentes públicos. (…) A fraude em licitação é a origem e, depois disso, para que consiga fechar esse ciclo, a gente tem recursos não contabilizados, através de contratação e faturamento de serviços fictícios”, escreveu o controlador-geral Rodrigo Fontenelle.

A Cidade Administrativa foi projetada por Oscar Niemeyer e inaugurada em 2010. O complexo fica no bairro Serra Verde, na Região de Venda Nova, em Belo Horizonte. A construção ocorreu durante o mandato do então governador e atual deputado federal Aécio Neves (PSDB).

O deputado Aécio Neves disse desconhecer o assunto. Segundo ele, a Cemig é uma empresa com autonomia, e que ninguém ouvido na investigação atribuiu a ele qualquer irregularidade na construção da Cidade Administrativa. O senador Antonio Anastasia, hoje filiado ao PSD, também afirmou que não tem conhecimento sobre os fatos que levaram ao acordo. À imprensa, ele disse que fortaleceu órgãos de controle durante a sua gestão.

Já a empreiteira Andrade Gutierrez comunicou que apoia toda iniciativa de combate à corrupção e que visa a esclarecer fatos ocorridos no passado.

“A empresa segue colaborando com as investigações em curso dentro dos acordos de leniência firmados com o Ministério Público Federal (MPF), Controladoria Geral da União (CGU), Advocacia Geral da União (AGU), Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), Procuradoria Geral do Estado do Rio de Janeiro (PGERJ) e, neste momento, com o Estado de Minas Gerais (CGE/AGE/MPE). A Andrade Gutierrez reforça, ainda, que incorporou diferentes iniciativas nas suas operações para garantir a lisura e a transparência de suas relações comerciais, seja com clientes ou fornecedores”, afirmou a empresa.

Redação

Redação

Comentar