Jogo Sujo

Empresas que fraudaram licitações em 50 cidades gaúchas são alvo de operação do MP

Operação do MP no RS

O Ministério Público do Rio Grande do Sul realizou hoje (27/5) operação de combate a crimes como fraudes em licitação e lavagem de dinheiro. Três pessoas foram presas e 17 mandados de busca e apreensão foram realizados em endereços comerciais e residenciais das cidades gaúchas de Dona Francisca, Frederico Westphalen, Erval Seco, Caiçara, Pontão, Santa Cruz do Sul e Rio Pardo.

Os presos são uma ex-servidora pública da Prefeitura de Dona Francisca, o dono e o gerente de duas empresas do município de Frederico Westphalen. Eles são investigados por fraudes em licitação, organização criminosa, lavagem de dinheiro, peculato e elevação arbitrária de valores. As duas empresas estão proibidas de firmar contrato com a administração pública.

Os investigados teriam combinado ofertas para burlar processos licitatórios. As empresas participaram de ao menos 180 licitações em 50 municípios no Rio Grande do Sul desde 2018, afirmam os investigadores. Em nove dessas cidades, venceram disputas que juntas somaram mais de R$ 1,7 milhão. Atualmente, há 62 licitações abertas em que ao menos uma das empresas participa.

O prefeito de Dona Francisca, Olavo Jose Cassol (MDB), informou que a ex-servidora presa tinha um cargo de confiança, mas que já não fazia parte da administração municipal quando ele assumiu o cargo, no início de 2021.  Edivilson Meurer Brum, atual prefeito de Rio Pardo, onde foram cumpridos mandados de busca e apreensão na Prefeitura, informou por meio de nota que abriu as portas todas as secretarias para receber o Ministério Público e contribuir com as investigações.

“Seguiremos firmes no combate a corrupção e na busca incansável de recolocar Rio Pardo no caminho certo”, afirmou o prefeito.

Redação

Redação

Comentar