Jogo Sujo

Investigado, Salles afasta 7 servidores suspeitos de facilitar exportação ilegal de madeira

Ricardo Salles

O afastamento de sete investigados pela Operação Akuanduba da Polícia Federal, que investiga a facilitação de exportação ilegal de madeira para Estados Unidos e Europa, foi confirmado nesta terça-feira (1°/6). Os nomes dos agentes públicos foram publicados no Diário Oficial da União (DOU). Somente o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, continua no cargo.

Ficam afastados por 90 dias o , presidente do Ibama Eduardo Fortunato Bim; o secretário-adjunto da Secretaria de Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente, Olivaldi Alves Borges Azevedo; assessor especial do ministro do Meio Ambiente, Leopoldo Penteado Butkiewicz; o diretor de proteção ambiental do Ibama, Olímpio Ferreira Magalhães, e o diretor de uso sustentável da biodiversidade e florestas do Ibama, João Pessoa Riograndense Moreira Júnior.

O próprio ministro Ricardo Salles, que também é suspeito, assinou os afastamentos, assim como os de Rafael Freire de Macedo, coordenador-geral de monitoramento do uso da biodiversidade e comércio exterior do Ibama; e de Wagner Tadeu Matiota, superintendente de apurações de infrações ambientais do Ibama.

Nesta terça-feira, Ricardo Salles enviou pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) para ser ouvido na investigação. O pedido foi feito pela defesa para que “os fatos sob investigação possam ser cabalmente esclarecidos o mais rápido possível”. O ministro Alexandre de Moraes, que autorizou a realização da Operação Akuanduba, deve analisar o pedido.

Redação

Redação

Comentar