Jogo Sujo

Golpe no SUS em Santa Catarina: operação mira desvio de verbas destinadas a próteses cardíacas

Dinheiro apreendido na casa de um dos suspeitos investigados na operação

Médico responsável por escolher os fornecedores das próteses teria recebido irregularmente mais de R$ 4 milhões

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (24), em Chapecó, no Oeste catarinense, a Operação Arritmia, que investiga um grupo criminoso organizado que teria fraudado verbas do SUS (Sistema Único de Saúde) destinadas à aquisição de próteses cardíacas. As investigações constataram que o médico responsável por escolher as empresas fornecedoras das próteses cardíacas teria recebido irregularmente mais de R$ 4,2 milhões entre 2014 e 2019.  Foram apreendidos mais de R$ 19 mil na casa de um investigado. Os policiais cumpriram mandados de busca e apreensão em um hospital, consultórios médicos, empresas envolvidas e na casa dos investigados em Xanxerê e na capital Florianópolis.

Há indícios de que os fornecedores das próteses eram escolhidos por médico e diretores do hospital de acordo com os benefícios pessoais proporcionados, que consistiam em recebimento de valores em dinheiro, patrocínio de viagens e formalização de contratos fictícios de prestação de serviços de consultoria, utilizados para dissimular os pagamentos ilícitos. Além disso, a fila de cirurgias do SUS estaria sendo fraudada pelos envolvidos, que poderão ser indiciados pelos crimes de associação criminosa, falsidade ideológica, peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Redação

Redação

3 Comentários