Jogo Sujo

MP do Amazonas investiga falta de oxigênio nos hospitais do estado

oxigenio Manaus

O Ministério Público do Amazonas (MP-AM) vai investigar a falta de oxigênio medicinal em hospitais públicos e privados do estado, que causou diversas mortes de pacientes com coronavírus. O procedimento foi instaurado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Segundo o MP, os promotores vão coletar “possíveis evidências de atuação criminosa organizada” que levou à falta de oxigênio, e apontar soluções para a situação “caótica”. A investigação conta com a colaboração de outras promotorias que lidam com aspectos como direito à saúde, à vida e à dignidade humana.

Para os promotores do MP, é a necessário apurar quem, “entre pessoas físicas, jurídicas, servidores e entidades”, deixou de seguir as “medidas de precaução necessárias”, permitindo que, “por motivos de desídia [negligência] ou interesses econômicos”, o “caos” se instalasse no sistema de saúde.

A empresa White Martins, principal fornecedora do estado, comuncia que está enfrentando um “cenário de crise sem precedentes”. A companhia usava apenas metade da capacidade de produção da fábrica de Manaus para atender à demanda regional. Recentemente, elevou de 25 mil m3/dia para 28 mil m3/dia o limite máximo de produção da unidade fabril. Porém, essa quantidade não atender a demanda que, na semana passada, chegou a 70 mil m3/dia.

O governo venezuelano doou pelo meno 107 mil metros cúbicos de oxigênio ao estado do Amazonas. Cada veículo transporta 25 mil metros cúbicos.A iniciativa, segundo a própria White Martins, não tem qualquer relação com a importação do produto disponível nas fábricas venezuelanas da empresa.

Redação

Redação

Comentar