Jogo Sujo

Quadrilha investigada pela Lava Jato também teria fraudado compra de álcool em gel pela Marinha

operação Favorito

Diálogos mostram militar e operador preso na Operação Favorito simulando precificação para contrato emergencial sem licitação

Novamente as compras sem licitação no combate ao coronavírus no Rio de Janeiro estão no centro das investigações da Lava Jato do estado. As investigações que levaram à Operação Favorito, deflagrada nesta quinta-feira (14/5), que levou à prisão do ex-deputado Paulo Melo e do empresário Mário Peixoto, apuram também uma suposta fraude na compra de álcool em gel pela Marinha.

Alessandro Duarte, um dos presos na operação e suspeito de ser operador de Mário Peixoto, foi flagrado em mensagens interceptadas conversando com um militar a simulação de preços para a compra emergencial de álcool em gel. Pela conversa, Alessandro ganhou a compra. A Marinha afirmou que está apurando as informações.

Veja detalhes da conversa, realizada no dia 28 de fevereiro:

Militar: Deixa te falar contigo rapidinho. Você consegue três preços diferentes com três CNPJ?
Alessandro: Consigo! Tem aí o volume que precisa?
Militar: Vou ver o volume… vai ser um volume grande. Todo quartel. Mas vai ser pior, não precisa fazer licitação. Vai ser com urgência, entendeu?
Alessandro: Pega todas as informações que precisa.
Militar: Eu sempre faço. Eu só preciso que você mande para mim três preços diferentes. Eu sou Playmobil! Eu sou várias coisas amigão, eu sou multiuso!
Alessandro: risos
Militar: Eu vou fazer contigo.
Alessandro: Pensa nos dois. Bota na mesa.
Militar: Dá para todo mundo morder uma farpela. Eu vou mandar para você o que eu quero por e-mail ou mando pelo zap e você vai me mandar uma e-mail para mim formalizando com três empresas. Eu vou pegar a empresa mais barata e vou fazer a compra. Tem nada de mais não.

No dia 19 de março, outro diálogo já combinar a entrega:

Alessandro: Fala, amigão!
Militar: fala. Sua empresa consegue entregar hoje?
Alessandro: Eu acho que sim. Vou ligar. Estou perguntando a eles. Que horas que pode entregar?
Militar: Até quatro horas.
Alessandro: Deixa eu ver aqui, que são duas e meia. Fica onde?
Militar: Fica na Ilha do governador. Lá no Bananal.

PF apreende um milhão e meio de reais em espécie
O juiz Marcelo Bretas determinou que o Ministério Público Federal envie uma cópia do processo para a Justiça Militar, para apurar a conduta do suspeito de condutas ilícitas.

A Operação Favorito prendeu também Leandro Braga de Sousa, apontado como operador financeiro do esquema; Carla dos Santos Braga, que já tinha sido presa pela Lava Jato numa investigação de desvio de dinheiro de lanches para detentos;  Lisle Rachel de Monroe Carvalho, que já foi secretária de Saúde de Teresópolis; e Luiz Roberto Martins, considerado o comandante do esquema de superfaturamento de compra de refeições para UPAs na capital e na Baixada Fluminense.

Ainda encontra-se foragido Luciano Leandro Demarchi, ex-secretário de Saúde de Teresópolis (RJ).

Na operação, a PF apreendeu mais de R$ 1,5 milhão, em Valença, no Sul do Rio.

Redação

Redação

Comentar