Jogo Sujo

Justiça manda soltar ex-diretor da Petrobras Renato Duque

Renato Duque

Condenado a mais de 130 anos no âmbito da Lava Jato, ele não poderá sair do país e deverá usar tornozeleira eletrônica

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região decidiu libertar o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, condenado a mais de 130 anos de prisão na Operação Lava Jato. Ele terá que seguir medidas cautelares, como entregar seu passaporte, usar tornozeleira eletrônica, apresentar-se mensalmente à sede do Juízo e não entrar em contato com os demais investigados na Lava Jato. Duque chegou a confessar crimes, inclusive supostos pagamentos de propinas ao PT, e à alta cúpula do partido, como o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci.

Sua defesa pediu sua liberdade após o Supremo Tribunal Federal mudar o entendimento sobre a execução de penas após condenações em segundo grau. Com a colaboração de outros países, como Suíça e Luxemburgo, os procuradores conseguiram refazer o caminho do montante usado para o pagamento das propinas, que eram pagas por meio de empresas associadas.

Duque foi preso pela primeira vez em fevereiro de 2015. Em 2019, foi condenado a três anos, seis meses e 15 dias por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e dissimulação de produto de crimes em esquema para favorecer empresas, conforme noticiado pelo blog.

No total, foi condenado a 120 anos de prisão em sete ações e estava preso desde março de 2015 no Complexo Médico de Pinhais, na Região Metropolitana da Curitiba. Segundo o MPF, o esquema de corrupção na Diretoria de Serviços da Petrobras permitiu o desvio de recursos públicos a partir de obras na Replan, Repar, Gasoduto Pilar/Ipojuca e Gasoduto Urucu Coari.

 

 

Redação

Redação

Comentar