Jogo Sujo

CPI vai investigar compra de 200 respiradores artificiais em Santa Catarina por R$ 33 milhões

Alesc

Secretaria estadual de Saúde pagou valor acima do mercado e ainda não recebeu o material

A Assembleia Legislativa de Santa Catarina instalou a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai investigar a compra de 200 respiradores artificiais por R$ 33 milhões pela Secretaria estadual da Saúde. O valor foi pago adiantado pelo governo, que sequer recebeu os equipamentos. A chegada dos aparelhos está prevista para até 20 de maio.

O secretário de Saúde de Santa Catarina, Helton de Souza Zeferino, chegou a pedir a exoneração do cargo após a divulgação das denúncias, em 30 de abril, em meio à pandemia do novo coronavírus.

A CPI foi oficializada pelo Ato da Mesa 11/2020, no qual foram indicados os nove deputados integram a comissão: Moacir Sopelsa (MDB), Valdir Cobalchini (MDB), Felipe Estevão (PSL), Sargento Lima (PSL), João Amin (PP), Milton Hobus (PSD), Marcos Vieira (PSDB), Fabiano da Luz (PT) e Ivan Naatz (PL).

“A compra causa estranheza porque os R$ 33 milhões já foram pagos, mas os respiradores não foram entregues. A empresa Veigamed, do Rio de Janeiro, funciona em uma casa simples, não tem histórico de venda de respiradores. Não foi dada publicidade a essa licitação, que foi feita com dispensa de licitação”, afirmou o deputado Ivan Naatz.

Segundo a denúncia publicada pelo site The Intercept, a compra foi feita às pressas e por um valor acima do praticado no mercado. O governo pagou R$ 165 mil por cada equipamento, quando a União e outros estados pagaram de R$ 60 mil a 100 mil. O pagamento já foi feito, mesmo sem a entrega dos produtos. A fornecedora escolhida, a empresa Veigamed, do Rio de Janeiro, não tem expertise na área e, após a compra, mudou os prazos de entrega e até o modelo oferecido, passando do Medical C35 para o Shangrila 510S.

 

Redação

Redação

1 Comentário