Jogo Sujo

Empresas de fachada do ramo de leilões usadas para lavar dinheiro em SP são alvos de busca e apreensão

PF

A suspeita é que R$ 600 milhões tenham sido movimentados com uso de sócios “laranjas” e evasão de divisas

Para combater empresas de fachada, com a utilização de sócios “laranjas”,  a Operação Último Lance foi deflagrada nesta terça-feira (3/3) pela Polícia Federal, por meio da Delegacia de Repressão e Combate à Corrupção e aos Crimes contra Sistema Financeiro Nacional da Superintendência. A maior parte das empresas investigadas atua no ramo de leilões.

Mandados de busca e apreensão foram cumpridos em São Paulo, Bauru, Pindamonhangaba e Franca. A PF chegou aos endereços após a análise de Relatórios de Inteligência Financeira (RIFs), utilizados após a devida e prévia autorização judicial, bem como por intermédio de ações fiscais.

Em apenas um dos RIFs analisados, verificou-se movimentações consideradas suspeitas que ultrapassaram o montante dos R$ 600 milhões. Ao todo, 80 policiais federais cumprem 16 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 10ª Vara Criminal Federal Especializada em Crimes contra o Sistema Financeiro Nacional e Crimes de Lavagem ou Ocultação de Bens, Direitos ou Valores de São Paulo/SP.

As investigações continuam e os envolvidos poderão ser processados pelos crimes de evasão de divisas, sonegação fiscal, falsidade ideológica, uso de documento falso e ocultação indevida de valores.

 

Redação

Redação

Comentar