Jogo Sujo

Polícia Federal abre inquérito contra Wajngarten para apurar suspeita de corrupção

Wajngarten

Presidente Jair Bolsonaro saiu em defesa do secretário: “Não é criminoso, está mais firme do que nunca”

A Polícia Federal em Brasília abriu inquérito para investigar o chefe da Secom (Secretaria de Comunicação da Presidência da República), Fabio Wajngarten, suspeito de corrupção passiva e peculato. O caso veio à tona a partir da revelação da existência de contratos da FW Comunicação e Marketing, empresa da qual Wajngarten é sócio, conforme noticiado pelo blog, com ao menos cinco empresas que recebem recursos direcionados pela Secom, dentre elas, as TVs Band e Record.

O secretário diz que os acordos comerciais foram feitos antes de seu ingresso na Secom – o da Band, por exemplo, há 16 anos. Esses contratos, segundo ele, “não sofreram qualquer reajuste ou ampliação” desde então.

A investigação foi aberta a pedido do Ministério Público Federal. A solicitação foi assinada pelo procurador Frederick Lustosa, da Procuradoria da República no Distrito Federal, no dia 27 de janeiro, motivada por representação de diversos cidadãos.

Logo após a divulgação da abertura do inquérito, o presidente Jair Bolsonaro saiu em defesa do subordinado.

— Olha só, o que eu posso te falar. Não foi a PF que abriu. O MP que pediu para que fosse investigado. Então é completamente diferente do que você está falando. Dá a entender que ele é um criminoso. Não é criminoso, eu não vi nada que atente contra ele — disse, na saída do Palácio da Alvorada, nesta quarta-feira (5/2), garantindo que “Wajngarten continua mais firme do que nunca”.

Redação

Redação

Comentar