Jogo Sujo

Pressão da Alerj derruba presidente do Detran-RJ

Diretoria do Departamento reage com veemência e distribui carta repudiando a saída de Luiz Carlos das Neves da presidência

O processo de higienização do Detran-RJ alardeado pelo governador Wilson Witzel pode não ter durado mais do que oito meses. Esta é a percepção da própria cúpula da autarquia, diante da mudança no comando da estatal. A substituição do presidente do Detran-RJ, Luiz Carlos das Neves, desencadeou uma forte reação entre seus pares. No último fim de semana, praticamente toda a diretoria do órgão assinou uma carta conjunta, distribuída aos funcionários, repudiando a substituição de Neves (leia a íntegra abaixo). No comunicado, os dirigentes do Departamento de Trânsito do Rio de Janeiro apontam que a saída de Neves se dá por pressão política da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Lembra ainda que as interferências da Alerj, “em um passado recente, colocaram o Detran-RJ nas páginas policiais, com prisões de diversos diretores e ex-presidentes.”

Desde janeiro, a gestão de Luiz Carlos das Neves se notabilizou pela reestruturação de diversas áreas do Detran-RJ, pela troca de funcionários em postos-chave e pelo desmonte de esquemas de corrupção em distintos departamentos. Nos primeiros seis meses, as mudanças geraram uma economia de aproximadamente R$ 250 milhões nos custos da estatal. O número de denúncias de corrupção na autarquia feitas por meio dos sistemas internos de fiscalização caiu 94% em relação ao primeiro semestre de 2018. Ao que tudo indica, a atual gestão do Detran-RJ pisou em algum calo alheio.

Segundo informações que circulam no próprio Detran-RJ, a dança das cadeiras envolverá outros cargos, com interferência direta de integrantes da Alerj. É o caso do deputado estadual Gustavo Tutuca (MDB). Fonte do próprio órgão ouvida por este blog aponta que o parlamentar já fez uma indicação para a Diretoria-Geral de Tecnologia da Informação e Comunicação, hoje ocupada por Hugo da Costa Silva. O deputado estadual carrega algumas nódoas em seu currículo. Em sua delação, Carlos Miranda, apontado como operador do ex-governador Sergio Cabral, denunciou um esquema de propina na Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado durante a gestão de Tutuca. Em 2014, a Procuradoria Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (PRE/RJ) pediu a cassação da sua candidatura a deputado estadual por captação ilícita de votos e abuso de poder econômico. A Justiça, no entanto, não acatou o requerimento.

O blog apurou que Luiz Carlos das Neves foi chamado, na semana passada, ao Palácio Guanabara, sede do governo do Rio. Foram oferecidas a Neves duas funções na Casa Civil. Ele não aceitou e ontem mesmo escreveu sua carta de demissão. O mais cotado para assumir o comando do Detran-RJ é o atual vice-presidente Marcelo Bertolucci, que, por sinal, não assinou a carta de repúdio à saída de Neves.

A reação da diretoria do Detran-RJ se deve também ao processo de fritura de Luiz Carlos das Neves. Nos últimos dias, começaram a surgir na mídia questionamentos à atual gestão do órgão. Entre outras fragilidades aludidas, Neves não teria conseguido reduzir os casos de corrupção na ponta, leia-se os postos de atendimento e vistoria do Detran-RJ. Verdade ou não, foi para a sua conta.

CARTA ABERTA DA DIRETORIA COLEGIADA DO DETRAN-RJ

Considerando a reportagem veiculada no jornal Extra, pela jornalista Berenice Seara, a Diretoria do DETRAN-RJ, vem informar que não compactua com o teor trazido. Desde o início da gestão foram alcançados resultados positivos, constantemente veiculados na mídia, tais como economia em diversos contratos, redução do índice de reclamações dos atendimentos e, principalmente, redução do número de denúncias de corrupção nos postos, através da valorização do trabalho técnico com a nomeação dos servidores concursados para os cargos de chefia.

Externamos nossa profunda indignação com o retorno de indicações políticas, conforme sugerido na matéria, por meio de pedidos da Assembleia Legislativa. Tais indicações, em um passado recente, colocaram o DETRAN-RJ nas páginas policiais, com prisões de diversos diretores e ex-presidentes.



Dessa forma, caso seja confirmada essa decisão, os atuais servidores ocupantes dos cargos de direção, abaixo assinalados, comprometidos com a transparência e integridade com a qual a Autarquia vem sendo conduzida, pedem que seja reconsiderada tal medida.
Cabe ressaltar que este corpo de diretoria colegiada, que está junto ao Governo do Estado, enfrentando o desafio de virar o jogo de uma Autarquia marcada por um passado corrupto e entregue às vontades políticas da Assembleia Legislativa, informa que não pretende continuar nas atuais posições diante da sinalização de mudança na Presidência da Autarquia.

Atenciosamente,

Diretoria Colegiada do DETRAN-RJ.


ALEXANDRE BASTOS MATIOLLI

Diretor-Geral de Identificação Civil

BRUNA MOREIRA DURALDE IMBUZEIRO

Diretora-Geral de Registro de Veículos

CARLOS EGÍDIO PINTO QUEIROZ

Coordenador-Geral das JARIs

ELVIRA GOMES SANTOS ROCHA

Diretora-Geral de Apoio Operacional


EMERSON MAIA DO CARMO

Chefe de Gabinete

GABRIEL QUIRINO DOS SANTOS

Assessor-Chefe de Planejamento e Orçamento

HUGO DA COSTA SILVA

Diretor-Geral de Tecnologia da Informação e Comunicação

HUGO LEONAN AMARAL DA SILVA

Coordenador-Geral de Julgamento de Condutores e Controle de Infrações

JIVAGO DE ALMEIDA MORAES


Diretor-Geral de Habilitação

JOYCE PORTO MELO FERREIRA

Assessora-Chefe de Controle Interno

KRISTIANO DE SOUZA JOTTA

Corregedor

LAERCIO WILLIAM MELLO DA SILVA

Diretor-Geral de Administração Financeira e Orçamentária

TAINAH OLIVA ANDRADE

Coordenadora de Gestão de Pessoas

PEDRO CAMBEIRO CONDE MARTINEZ

Coordenador da Comissão Permanente de Licitação

GABRIEL EMERICK PESSANHA DOS SANTOS

Coordenador-Geral do Renavam

SÉRGIO HUNGRIA JÚNIOR

Coordenador-Geral de Integração de Serviços





Redação

Redação

11 Comentários