Jogo Sujo

Ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB) é alvo de mandado de prisão e entra na lista da Interpol

Ricardo Coutinho

Para investigadores, político está envolvido com quadrilha que desviava recursos da saúde e educação através de organizações sociais. Operação Calvário-Juízo Final cumpre um total de 17 mandados de prisão em quatro estados

Mais de 300 policiais cumprem na manhã desta terça-feira (17/12) 54 mandados de busca e apreensão e 17 mandados de prisão nos estados da Paraíba, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Goiânia e Paraná no âmbito da Operação Calvário – Juízo Final, da Polícia Federal, que visa combater uma organização criminosa atuante em desvio de recursos públicos destinados à saúde e à educação através de organizações sociais (OS).

O governador da Paraíba, João Azevêdo (sem partido), e o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), são alvos da operação. Além deles, políticos e servidores também estão envolvidos, como a prefeita do Conde, Márcia Lucena (PSB). Coutinho está fora do país e teve seu nome incluído na lista da Interpol. Três mandados de busca e apreensão também foram cumpridos contra três conselheiros e ex-presidentes do Tribunal de Contas do Estado (TCE): Arthur Cunha Lima, André Carlo Torres e Nominando Diniz.

Também há mandados de prisão preventiva em nome da deputada estadual Estelizabel Bezerra de Souza; da prefeita do Conde, Márcia de Figueiredo Lucena Lira; do ex-secretário de Saúde e de Planejamento, Orçamento e Gestão Waldson Dias de Souza; do ex-procurador geral do Estado Gilberto Carneiro da Gama; e da ex-secretária de Saúde e secretária executiva de Articulação Municipal) Cláudia Luciana de Sousa Mascena Veras; entre outros,

Em setembro, o blog Jogo Sujo já havia publicado informações sobre a delação premiada da ex-secretária de administração da Paraíba, Livânia Farias, que revelou à Operação Calvário como era feito o pagamento de suborno a agentes públicos através de serviços de fachada de uma empresa de advocacia entre 2009 e 2011. A investigação identificou que a organização criminosa teve acesso a mais de R$ 1,1 bilhão em recursos públicos para a gestão de unidades de saúde em diversos estados entre julho de 2011 e dezembro de 2018.

Em nota publicada na internet, ex-governador afirma que vai antecipar retorno de viagem de férias
Em postagem nas redes sociais, o ex-governador Ricardo Coutinho se disse “surpreendido com a decisão judicial”.

Leia a nota na íntegra:

Fui surpreendido com decisão judicial decretando minha prisão preventiva em meio a uma acusação genérica de que eu faria parte de uma suposta organização criminosa.

Com a maior serenidade digo ao povo paraibano que contribuirei com a justiça para provar minha total inocência. Sempre estive à disposição dos órgãos de investigação e nunca criei obstáculos a qualquer tipo de apuração.

Acrescento que jamais seria possível um Estado ser governado por uma associação criminosa e ter vivenciado os investimentos e avanços nas obras e políticas sociais nunca antes registrados.

Lamento que a Paraíba esteja presenciando o seu maior período de desenvolvimento e elevação da autoestima ser totalmente criminalizado.

Estou em viagem de férias previamente programada, mas estarei antecipando meu retorno para me colocar à inteira disposição da justiça brasileira para que possa lutar e provar minha inocência.

Redação

Redação

3 Comentários